20 de março de 2017

Estudo pode explicar por que apenas certas células cerebrais são danificadas na ataxia de Friedreich



A degeneração seletiva de certos neurónios em pacientes com ataxia de Friedreich pode ser explicada pelo efeito que a falta de frataxina tem sobre as células do sistema nervoso chamadas astrócitos. Os investigadores descobriram que os ratos, que cresceram sem frataxina, tinham astrócitos anómalos em seu cerebelo, enquanto que as células na frente do cérebro eram normais. 

O estudo ”Um papel para os astrócitos nos défices cerebelosos na deficiência de frataxina: proteção pelo fator de crescimento semelhante à insulina", também sugere que o fator de crescimento IGF-1 (fator de crescimento semelhante à insulina 1) pode ser uma opção de tratamento para diminuir os efeitos da perda de frataxina durante o desenvolvimento. O estudo foi publicado na revista Molecular and Cellular Neuroscience. 

Embora a frataxina - a proteína mutada que causa a ataxia de Friedreich - esteja presente em todo o corpo e sistema nervoso central, algumas células são mais afetadas por sua perda do que outras. Particularmente, certos neurónios a medula espinhal e cerebelo são danificados pela perda de frataxina, causando os sintomas típicos da ataxia. 

Muita investigação sugere que os astrócitos, um tipo de célula que apoia os neurónios e modula sua sinalização, também estão envolvidos nos processos que levam à neurodegeneração. 

Para examinar se os astrócitos são afetados pela perda de frataxinainvestigadores do Instituto Cajal (Espanha) desenvolveram ratos em que frataxina poderia ser removida de forma dependente do tempo. A remoção da proteína durante o desenvolvimento levou à degeneração do cerebelo, ataxia e morte precoce. Mas quando a frataxina foi removida em ratos adultos, os sintomas de ataxia não apareceram. 

Concentrar-se nas diferenças entre o cerebelo - crucial para o movimento de afinação e coordenação  e a parte frontal do cérebro, permitiu à equipa entender por que a perda de frataxina não afeta todas as regiões cerebrais igualmente. 

Em ratos normais, os níveis da proteína são muito mais elevados no cerebelo do que no prosencéfalo durante os primeiros dias após o nascimento. Examinando os astrócitos, os investigadores encontraram o mesmo padrão. Os astrócitos no cerebelo normalmente produzem níveis muito mais altos de frataxina do que os do prosencéfalo. 

A deleção do gene da frataxina no desenvolvimento precoce, portanto, afetou mais os astrócitos cerebelosos, dificultando o seu crescimento e sobrevivência. Mas aqueles na parte dianteira do cérebro não foram afetados. 

Além disso, a equipa descobriu que os níveis de IGF-1 eram mais baixos nos ratos sem frataxina durante o desenvolvimento. Quando os investigadores trataram os animais com o fator de crescimento, o impacto da frataxina perdida foi diminuído, com menor neurodegeneração no cerebelo, melhor capacidade de movimento e melhor sobrevivência. Descobertas semelhantes foram relatadas em pequenos estudos piloto em seres humanos. 


(artigo traduzido) 


Sem comentários:

Enviar um comentário