9 de março de 2017

Assembleia Gera | 25-03-17


Os investigadores podem ter encontrado um novo alvo terapêutico para o tratamento da ataxia de Friedreich.

Prevenção da degradação da frataxina pode ser estratégia para controlar a ataxia de Friedreich 



Um estudo, "E3 Ligase RNF126 ubiquitinata diretamente frataxina, promovendo a sua degradação: identificação de um potencial alvo terapêutico para a ataxia de Friedreich", foi publicado na revista Cell Reports. 

A ataxia de Friedrich é caracterizada por níveis de expressão reduzidos da proteína frataxina devido a anomalias na sequência do gene que codifica esta proteína. Estas anomalias consistem em repetições de sequências de ADN dentro do gene, e quanto maior o número de repetições, mais cedo o início da ataxia de Friedrich e complicações associadas nos pacientes. 

frataxina desempenha um papel importante na mitocôndria, a potência da célula, de modo a que a proteína mutada explica vários sintomas que refletem deficiências na produção de energia. 

As células eliminam as proteínas recorrentemente, quando elas não são mais necessárias ou tenham trabalhado por um tempo. Mas se essas proteínas estão presentes em níveis mais baixos do que o normal, evitar sua degradação poderia beneficiar as células. 

"A maioria das abordagens terapêuticas atuais visam promover a frataxina [produção]; Entretanto, a caracterização molecular da via de degradação da frataxina sugeriu a possibilidade de aumentar a proteína frataxina, impedindo sua degradação", escreveram os investigadores. 

Usando uma série de técnicas experimentais, os investigadores rastrearam várias moléculas chamadas ARNs de interferência pequena (siARN), que são capazes de bloquear a produção de proteínas, buscando aquelas que bloqueariam a expressão de proteínas que controlam a degradação da frataxinaDescobriram que o tratamento de células cultivadas com certos siARNs aumentou os níveis de frataxina, bloqueando as proteínas que causam a sua degradação. 

Entre alguns candidatos, identificaram uma molécula chamada RNF126, uma enzima (proteína) que tem como alvo a frataxina para degradação em células. 

Para validar esta descoberta, a equipa testou uma siARN específica contra RNF126 em células derivadas de pacientes com ataxia de Friedreich. Eles descobriram que o bloqueio da proteína RNF126 aumentou os níveis de frataxina. 

Em conjunto, estes resultados indicam que a proteína RNF126 controla a abundância de frataxina em células derivadas de pacientes e sugerem que a inibição da RNF126 pode representar uma nova estratégia terapêutica para promover um aumento nos níveis de frataxina e subsequentemente melhorar a condição dos doentes. 

"Atualmente, nenhuma terapia eficaz foi aprovada para tratar [ataxia de Friedreich]", escreveram os pesquisadores. "Os pacientes [com ataxia de Friedreich] vivem com uma quantidade reduzida e insuficiente de proteína frataxinaassim, o objetivo principal de uma terapia específica para a ataxia de Friedreich seria restaurar os níveis fisiológicos de frataxina. Uma possível abordagem terapêutica para alcançar um aumento nos níveis de frataxina é prevenir a... degradação do precursor de frataxina, permitindo assim que mais frataxina seja importada e processada nas mitocôndrias para gerar a forma funcional madura da frataxina", concluíram os pesquisadores. 


(artigo traduzido)