17 de fevereiro de 2017

Défices oculomotores na ataxia espinocerebelosa tipo 3: biomarcadores potenciais de deteção pré-clínica e progressão da doença


Wu C, Chen DB, Feng L, Zhou XX, Zhang JWYou HJ, Liang XL, Pei Z, Li XH 



RESUMO 
OBJETIVOS: 
Detetar défices oculomotores específicos no estádio pré-clínico da ataxia espinocerebelosa tipo 3 (SCA3) e avaliar se essas anomalias se mostram úteis como biomarcadores potenciais da progressão da doença. 
MÉTODOS: 
Uma coorte chinesa de 56 pacientes com SCA3, incluindo 12 portadores pré-clínicos de SCA3 (pré-SCA3) e 44 com SCA3 manifestada, e 26 indivíduos saudáveis como ​​controlo, foram recrutados. Realizou-se uma investigação detalhada sobre o desempenho oculomotor central, incluindo fixação, olhar, perseguição suave, prosacção e antisacadas usando video-oculografia. 
RESULTADOS: 
As características oculomotoras comuns de pré-SCA3 incluíram empurrão de onda quadrada durante a fixação central e retenção do olhar, perda de perseguição vertical suave, sacada ascendente lenta e aumento da taxa de erro de antisacada. Na nossa coorte SCA3, todos os parâmetros oculomotores foram correlacionados com a pontuação da Escala de Avaliação e Classificação da Ataxia, enquanto alguns deles foram correlacionados com a duração da doença. 
CONCLUSÃO: 
Este estudo mostrou que uma série de alterações neuropatológicas refletidas por anomalias oculomotoras apareceu preferencialmente no estágio pré-clínico da SCA3. Consequentemente, os sinais pré-clínicos oculomotores objetivos podem ser úteis para detetar o ponto temporal ótimo para intervenções terapêuticas em ensaios clínicos futuros da SCA3. Dados maiores e longitudinais são necessários para confirmar os nossos resultados. 


(artigo traduzido)