7 de fevereiro de 2017

Aumento da proteína de armazenamento de ferro em pacientes com ataxia pode ter papel protetor


Os investigadores descobriram dois tratamentos químicos que aumentaram a proteína de armazenamento de ferro, chamada ferritina das mitocôndrias, em células de um paciente de ataxia de Friedreich. Estes resultados sugerem uma potencial opção de tratamento para a proteção contra o dano oxidativo mitocondrial nestes doentes. 

O estudo, "Caracterização do promotor da ferritina mitocondrial humana: identificação de fatores de transcrição e evidências de controlo epigenético", foi publicado na revista Scientific Reports. 

As mitocôndrias são organelas chave responsáveis ​​pela geração de energia nas nossas células. É nessas pequenas organelas que ocorrem reações chave, como aquelas que estão envolvidas no processamento de ferro, um nutriente chave para o nosso corpo. 

ferritina das mitocôndrias é uma proteína de armazenamento de ferro que não é amplamente expressa em todas as nossas células, mas parece manifestar-se em tecidos específicos. Neste caso, a ferritina das mitocôndrias é preferencialmente expressa em células que têm elevada atividade metabólica e consumo de oxigénio. 

Estudos anteriores demonstraram que a ferritina das mitocôndrias (MtFt) liga o ferro mitocondrial e tem um papel crucial na homeostase do ferro das células (equilíbrio). A ferritina das mitocôndrias é uma proteína que é codificada por um gene chamado FTMT. 

Apesar do número crescente de relatos de estudo da proteína, "poucas evidências foram reunidas sobre a regulação da sua expressão, bem como sobre os mecanismos da sua expressão celular/tecido específica", escreveram os investigadores. 

Neste estudo, os investigadores investigaram os mecanismos reguladores que controlam a expressão do FTMT. Eles realizaram várias experiências com foco nas sequências de ADN que podem regular a expressão do gene FTMT. 

Eles identificaram uma região dentro do gene FTMT chamada de o promotor, que inicia o primeiro passo da expressão genética (chamada transcrição), onde a informação escrita como uma sequência específica do ADN é copiada para o ARN e, em seguida, para uma proteína. 

Adicionalmente, identificaram uma série de reguladores positivos e negativos da transcrição do FTMT. Estes incluíram os reguladores positivos YY1 (Yin Yang 1); CREB (proteína de ligação ao elemento de resposta c-AMP); e SP1 (proteína de especificidade 1). 

A proteína de ligaçã2 GATA (GATA2); a proteína A1 (FoxA1); e intensificador CCAAT de ligação proteínas beta (C/EBP β), foram identificados como reguladores negativos. 

Os investigadores também descobriram que certos tratamentos químicos, como agentes de acetilação e desmetilação aumentaram a transcrição do gene FTMT. Em seguida, testaram estes agentes em células de um paciente de ataxia de Friedreich. 

"Esses tratamentos regulam a expressão da FtMt [proteína] mesmo em fibroblastos derivados de um paciente de ataxia de Friedreich, onde poderia exercer um efeito benéfico contra o dano oxidativo mitocondrial", concluíram os investigadores. 


(artigo traduzido) 


Aceitar ajuda, descansar e abrandar são cruciais para lidar com uma doença crónica e criar filhos



Por Renee Bonjour 



No ano passado tive algumas lições de vida, sobre saúde e paternalidade que realmente abalaram o meu mundo. Em janeiro, comecei a ter alguns problemas bastante anómalos: não conseguia andar a direito, a minha fala era arrastada e minha escrita foi de "bastante decente" a "ilegível". Não tinha ideia do que se passava e todos os médicos pensaram que eu tinha um AVC (acidente vascular cerebral) ou um súbito aparecimento de esclerose múltipla. 

"Um dos meus médicos disse algo que é uma linha orientadora para o meu próprio bem-estar: "Dê graças a si mesma. Essa é a chave; seja paciente consigo mesma". 

Não saber o que estava realmente errado comigo era um desafio. No começo, estava convencida de que eu poderia estar apenas maluca. Os meus filhos não conseguiam entender o que eu estava a dizer e eu não conseguia subir as escadas para deitar o meu filho mais velho. A vida estava de pernas para o ar e nenhum exame ou análise sanguínea mostrava algo de errado. Os meus médicos estavam perplexos. 
Finalmente, encontraram uma inflamação no meu líquido espinhal. As coisas continuaram a piorar, e eu fui enviada para Rochester (NY, EUA) para descobrir o que realmente estava a acontecerPassei seis dias no hospital onde verificaram se eu tinha cancro, que não tinha. 
O prognóstico final: ataxia cerebelosa autoimune, uma doença rara com poucas evidências históricas. A investigação é deprimente. O único estudo que encontrei mostrou que de 120 pessoas quês seguiram ao longo de 20 anos, 75 por cento terminou permanentemente numa cadeira de rodas ou com um auxiliar de marcha. Apenas quatro pessoas, ou três por cento dos participantes no estudo, alguma vez voltaram a um estado normal. A ataxia cerebelosa autoimune é comumente chamada de "doença sem esperança" porque há muito pouco que melhora a perda de coordenação. 
Nesse meio tempo, ninguém iria adivinhar o que se passava comigo só por me conhecerem. No entanto, longe dos olhares dos outros, eu lidava com exaustão repentina, que é difícil de gerir quando se cria dois filhos. A outra coisa com que eu lido com é uma ansiedade sem fundamento. O que é isso? Eu considero-a como ansiedade sem fundamento, porque não há um evento específico que acione. Quando a minha ansiedade ataca, sinto-me em pânico e presa. Embora possa reconhecer o que está a acontecer, não consigo sair e tenho que navegar a onda até desaparecer. 
Quando as coisas começaram a correr mal, meu filho mais novo, Reid, tinha pouco mais de 18 meses e meu filho mais velho, Easton, tinha 4 anos e meio. A dificuldade de ter filhos enquanto se luta para controlar uma reação autoimune é que eles não entendem o que está verdadeiramente errado com a mamãTivemos que reduzir as especificações mencionadas acima a "a mamã está doente." Quando eu voltei para casa de Rochester (NY, EUA), a diversão começou. A vida com crianças pequenas deve continuar, mesmo quando não nos sentimos a 100 por cento. 
Em casa, eu queria forçar-me a ser o mais útil possível. Um dia o meu marido ligou para dizer que iria buscar as crianças. Eu decidi ajudar ao ter sandes de manteiga de amendoim prontas para as crianças quando chegassem a casa. Levei 20 minutos para completar o simples ato de tentar espalhar a manteiga de amendoim no pão. Por mais frustrante que fosse, eu sabia que tinha de continuar a esforçar-me por fazer as coisas que eram difíceis. Tive que permanecer positiva e produtiva. 
Enquanto eu lutava para determinar como ultrapassar esta parte da minha vida, um dos meus médicos disse algo que é uma linha orientadora para o meu próprio bem-estar: " Dê graças a si mesma. Essa é a chave; seja paciente consigo mesma". Através desta experiência, a minha compreensão deste conceito está a tornar-se mais clara. Ao lidar com uma condição crónica - ou apenas pais em geral - é importante libertar os sentimentos de culpa associados com não realizar tudo na lista de afazeres. Em vez disso, concentre-se no que foi feito. Nós nos julgamos mais severamente do que qualquer outra pessoa, mesmo quando estamos doentes. 

Aqui estão algumas coisas importantes para lembrar! 

Descanse 
A fadiga e exaustão que ainda tenho hoje são muitas vezes avassaladoras. O momento mais pungente foi no final de março de 2016. Disse ao meu filho mais velho que íamos ao Museu da Criança. Quando o domingo chegou, a exaustão era demais para superar e uma viagem ao museu não ia acontecer. Sentámo-nos os dois no chão e chorámos. Uma das consequências de lidar com uma doença crónica é que preciso ter mais tempo para descansar. Apesar do que eu possa pensar, as crianças vão ficar bem se o horário não estiver repleto de 0eventos. A maioria das crianças não se importa se pode levá-los a lugares ou fazer coisas divertidas. Eles só querem passar tempo connoscoPintar com eles ou ler para eles, também é especial. Quando saímos e fazemos alguma coisa, tenho de ter um "tempo de recuperação". Muitas vezes nos fins-de-semana, isso significa que pelo menos uma tarde é dedicada a uma sesta. Sei que se não fizer isso, vou-me abaixo durante a semana. Fazer uma pausa não é egoísta; é realmente o oposto. Para ser uma boa mãe e uma boa pessoa, sei que preciso destas pausas para estar no meu melhor. 
Aceite ajuda 
Tive que aprender esta lição desde cedo. Tenho muito orgulho em fazer as coisas sozinha e pedir ajuda parecia estar a dar parte de fraca. Com o tempo percebi que aceitar ajuda era tudo menos dar parte de fraca. A ajuda dos outros evitou que a minha casa fosse invadida por roupa suja e confusão. Aprendi que está bem aceitar ajuda e estar disposto a pedi-la quando é necessário. 
Abrande 
A frase “Devagar se vai ao longe” descreve como eu consigo fazer as coisas, de agora em diante. Quem me conhece, sabe que eu faço tudo depressa. Falo depressa. Tento fazer as coisas rapidamente. Ter isto a acontecer-me foi uma verdadeira chamada de atenção, pois eu agora tenho de deliberadamente falar mais devagar. Tive que significativamente esvaziar o meu horário ocupado e tentar reduzir o número de tarefas que fazia no emprego. Decidi que me tinha que assegurar que, ao final do dia, ainda tinha alguma energia para os meus filhos. A culpa derivada desta situação foi difícil, para mim. Estava habituada a ser capaz de fazer tudo. Mas agora aprendi que se não abrandar, não posso cuidar dos outros. 


(artigo traduzido)