6 de janeiro de 2017

Tudo o que deve saber sobre a ataxia


A ataxia é uma doença do cerebelo. Esta condição é geralmente descrita pela falta de coordenação muscular. A ataxia pode afetar o movimento normal, bem como a fala, o movimento dos olhos e a capacidade de engolir. A doença é comumente causada por danos no cerebelo. Pode ser determinada por uma ampla gama de condições, bem como por abuso de álcool, acidente vascular cerebral, esclerose múltipla, tumores e paralisia cerebral. 

Começar o tratamento certo, logo que a doença é desenvolvida é altamente importante. No entanto, para ser capaz de se obter um diagnóstico precoce, precisa primeiro saber quais são os sintomas desta doença. A ataxia é uma condição que pode ser desenvolvida de repente, portanto, nenhuns sintomas serão sentidos. A doença também pode ser desenvolvida ao longo do tempo, dependendo da sua causa. Quando os sintomas começam a ser sentidos, eles incluirão o seguinte: 

  • Má coordenação; 
  • Caminhada instável; 
  • Tendência a tropeçar; 
  • Mudança na fala; 
  • Dificuldade na deglutição; 
  • Movimento ocular involuntário; 
  • Dificuldade em comer ou escrever, bem como em inúmeras outras tarefas normais de motricidade fina. 

No caso de perder equilíbrio e a coordenação muscular, deve consultar um médico o mais rapidamente possível. Outros sintomas incluem dificuldade em andar e engolir. No caso de atrasar a consulta do médico, pode desenvolver complicações. A doença pode evoluir até se tornar muito grave e difícil de curar, também. 

Causas 
A principal causa da ataxia é o dano, degeneração ou perda de células nervosas no cerebelo. Abaixo pode encontrar uma lista de algumas das causas mais importantes que foram associadas a esta doença: 
  • Trauma na cabeça; 
  • Acidente vascular encefálico; 
  • Ataque isquémico transitório; 
  • Paralisia cerebral; 
  • Esclerose múltipla; 
  • Varicela; 
  • Síndromes paraneoplásicas; 
  • Tumor; 
  • Reações tóxicas. 
As causas variam de um caso para outro. Naturalmente, nem todos os pacientes que foram submetidos aos fatores de risco acima mencionados desenvolverão necessariamente ataxia. 

Diagnóstico 
Existem vários testes que podem ser usados ​​para diagnosticar ataxia. Os exames físicos e neurológicos serão incluídos em todos os processos de diagnóstico. Eles avaliam a memória e a concentração, bem como equilíbrio, a coordenação e os reflexos. Outros testes utilizados no diagnóstico incluem: 
1. Análises sanguíneas para confirmar uma condição suspeitaAnálises específicas serão recomendadas, dependendo das causas sentidas por cada paciente. 
2. Análises à urina também podem ser necessárias. Tiram uma amostra de urina para verificar se há anomalias. 
3. Estudos de imagem. TAC do cérebro também pode determinar se o paciente sofre de ataxia ou não. 
4. Punção lombar supõe a inserção de uma agulha na parte inferior das costas. 
5. Testes genéticos podem ser recomendados para descobrir se existem mutações genéticas que possam determinar o desenvolvimento desta condição. 

Tratamento 
Uma das coisas mais importantes que deve saber sobre o tratamento da ataxia é que é difícil de curar a doença. Não há nenhum tratamento específico para esta condição que possa ajudar a superá-la. No entanto, existem várias terapias que podem ser recomendadas nalguns casos. Podem incluir fisioterapia para construir força e aumentar a mobilidade, bem como terapia para melhorar a fala e ajudar a deglutição. 
A ataxia é uma doença do cerebelo, tal como outras condições deste tipo sendo extremamente difícil de superar. Obter o tratamento certo e receber um diagnóstico precoce pode ser crucial para conseguir uma cura o mais rapidamente possível. 


(artigo traduzido) 


Um estabilizador proprioceptivo utilizável para a reabilitação da ataxia dos membros e da marcha nas ataxias cerebelosas hereditárias: um estudo piloto aberto


Luca LeonardiMaria Gabriella AcetoChristian MarcotulliGiuseppe ArcuriaMariano SerraoFrancesco PierelliPaolo PaoneAlessandro FillaAlessandro RocaCarlo Casali 



Resumo 
O objetivo deste estudo piloto é testar a viabilidade e eficácia de um estabilizador proprioceptivo utilizável que emita vibrações mecânicas focais em pacientes afetados por ataxias cerebelosas hereditárias. Onze pacientes adultos com um diagnóstico genético confirmado de ataxia espinocerebelosa autossómica dominante ou ataxia de Friedreich foram convidados a usar um dispositivo ativo por 3 semanas. As avaliações foram realizadas no início do estudo, após o uso do dispositivo (T1) e 3 semanas após (T2). Utilizaram-se os parâmetros de marcha SARA, 9-HPTPATA, 6MWT e espaciais e temporais, medidos com um sensor inercial BTS-G-Walk. Como esperado, nenhum efeito adverso foi relatado. Melhorias estatisticamente significativas na SARA, mão dominante 9HPT, teste PATA, 6MWT, cadência, ciclo de comprimento, apoio direito/ciclo, apoio esquerdo/ciclo, voo direito/ciclo, voo esquerdo/ciclo, apoio duplo direito/ciclo, apoio duplo esquerdo/ciclo, único apoio direito/ciclo, e único apoio esquerdo/ciclo foram observados entre T0 e T1. Todos os parâmetros melhorados em T1 não mostraram diferenças estatisticamente significativas a T2, com exceção da duração do ciclo. Este pequeno estudo com marcação aberta mostra evidências preliminares de que a vibração mecânica focal exercida por um estabilizador proprioceptivo portátil pode melhorar a ataxia dos membros e da marcha em pacientes afetados por ataxias cerebelosas hereditárias. 


SARA – Tabela para a avaliação e classificação da ataxia 
9-HPT – Teste dos 9 buracos 
PATA – Testes à fala 
6MWT  Teste de 6 minutos a andar 
. 

(artigo traduzido)