4 de novembro de 2016

Estudo sugere que a vitamina B1 tem potencial como tratamento para a ataxia de Friedreich


As injeções de vitamina B1 melhoraram vários sintomas em pacientes com ataxia de Friedreich e evitaram que os pacientes se deteriorassem ainda mais ao longo de um período de dois anos, de acordo com um estudo recentemente publicado. 

Enquanto os investigadores advertem que os resultados precisam de ser verificados, os resultados abrem a possibilidade de uma maneira inteiramente nova de abordar o tratamento para a ataxia de Friedreich. 

O estudo "Tratamento a longo prazo com tiamina como possível terapia médica para a ataxia de Friedreich"foi recentemente publicado no Journal of Neurology. 

Sem a vitamina B1 no sistema nervoso central, inúmeras enzimas tornam-se incapazes de fazer seu trabalho. Estudos recentes também mostram que a vitamina, também chamada tiamina, pode ter outros tipos de propriedades neuroprotetoras. 

Os estudos também indicaram que a vitamina B1 é baixa no líquido cefalorraquidiano dos pacientes com ataxia de Friedreich. Um pequeno estudo também descobriu que o tratamento de pacientes com a vitamina durante três meses melhorou a coordenação do movimento, fala e deglutição, reduzindo a fadiga. 

Investigadores da Clínica Villa Immacolata e do Hospital Universitário San Martino, ambos em Itália, queriam explorar o tratamento por um período mais longo. Eles recrutaram 34 pacientes com ataxia de Friedreich que receberam injeções intramusculares de 100mg de tiamina, duas vezes por semana. 

Antes de iniciar o tratamento, os investigadores examinaram os pacientes usando a Escala de Avaliação e Medição da Ataxia (SARA). Alguns pacientes também foram avaliados com a Escala de Gravidade da Fadiga (FSS) e outro com ecocardiograma. As avaliações foram repetidas após 1, 3, 6, 9, 12 e 24 meses. 

O tempo de tratamento e seguimento variou de 80 a 930 dias. O tratamento melhorou significativamente os sintomas de movimento. Observaram-se melhorias em pacientes de todos os estágios de deficiência, mas aqueles em estágio 3 (com necessidade de cadeira de rodas) melhoraram mais do que pacientes com menos incapacidade. 

O tratamento também reduziu a taxa anual de progressão em comparação com níveis previamente publicados. 

Os investigadores também relataram que 16 dos 28 pacientes que perderam os seus reflexos tendinosos profundos os recuperaram após três meses de tratamento. Da mesma forma, as dificuldades de deglutição melhoraram em 14 de 22 pacientes com tais problemas no início do estudo. 

Entre os 13 pacientes que foram avaliados com ecocardiograma, a espessura da parede que separa os ventrículos cardíacos diminuiu durante o estudo. O tratamento também aumentou os níveis de mARN da frataxina, indicando um aumento da atividade dos genes, na metade do grupo, mas o aumento não foi estatisticamente significativo. 

Mais importante, não houve efeitos colaterais do tratamento e nenhum dos pacientes abandonou o estudo. 


(artigo traduzido) 


O 'Guardião do Genoma' pode prevenir o desenvolvimento da ataxia de Friedreich e de outros distúrbios neurológicos


A perda de função das proteínas associadas ao ARN, a molécula de transição entre o ADN e a proteína, poderia contribuir para distúrbios neurológicos como a ataxia de Friedreich. 

Uma equipa de investigadores da Universidade de Oxford, Reino Unido, liderada pela Dra. Natalia Gromak, focou uma dessas proteínas chamada senataxina (SETX) e o papel que desempenha como um "guardião do genoma", impedindo o desenvolvimento de doenças neurológicas. 

A revisão, "Senataxinaguardião do genoma na interface da transcrição e neurodegeneração", foi publicado no Journal of Molecular Biology. 

SETX é uma das proteínas de ligação de laços R (R-loop) melhor caracterizadas. Os laços R (R-loops) são feitos de um híbrido de ARN/ADN, que são formados durante a transcrição da mensagem contida na molécula de ADN para um mensageiro de ARN. A mensagem contida na molécula de ARN é então "traduzida" numa proteína. 

Os laços R (R-loops) desempenham um papel em muitos processos celulares, incluindo a regulação da estrutura tridimensional do ADN que é importante na determinação de quais os genes que serão lidos em que tecidos, bem como o controlo da terminação da transcrição. 

A desregulação do nível dos laços R (R-loops) pode levar a defeitos de transcrição, a alteração da estrutura do ADN e instabilidade do genoma. Isso pode levar a doenças chamadas associadas aos laços R (R-loops), que incluem a ataxia de Friedreich. 

Não é totalmente compreendido como ocorre a desregulação dos laços R (R-loops) e como isso leva a distúrbios neurológicos. No entanto, pensa-se que SETX desempenha um papel crucial na prevenção da formação de laços R (R-loops) aberrantes. 

Os trabalhos anteriores mostraram que as mutações na proteína SETX estão ligadas a distúrbios neurodegenerativos como a ataxia com apraxia oculomotora tipo 2 (AOA2) e a esclerose lateral amiotrófica tipo 4 (ELA4). 

De acordo com os autores da revisão, o papel da SETX na resolução dos laços R (R-loops) destaca a importância de compreender a contribuição das enzimas helicases, que desenrolam as duas cadeias de ADN, ou híbridos ARN/ADN, neste processo. 

Este entendimento pode fornecer novas direções para a conceção de potenciais medicamentos. "Isto poderia ser conseguido direcionando diretamente proteínas que usam moléculas pequenas ou introduzindo laços R (R-loopspotentes, que controlam enzimas tais como a SETX", escreveu Matthias Groh, o primeiro autor da revisão, e seus colegas. 

Estudos recentes já mostraram que os laços R (R-loops) podem ser direcionados com sucesso usando moléculas pequenas e podem reverter fenótipos moleculares associados à ataxia de Friedreich. 


(artigo traduzido)