3 de maio de 2016

NAF apoia estudo que explora os defeitos mitocondriais no músculo esquelético na ataxia cerebelosa 2


A NAF recentemente atribuiu quatro bolsas de bolsas de pós-doutoramento que abrangem vários aspetos da investigação sobre a ataxia. Num projeto com foco na ataxia cerebelosa autossómica recessiva 2, Pankaj Kumar Singh no Instituto Genético de Biologia Molecular e Celular, França, explora como os defeitos mitocondriais contribuem para os mecanismos da doença no músculo esquelético, na esperança de identificar um alvo terapêutico na ataxia cerebelosa tipo 2. 

Dr. Singh é um dos quatro investigadores a receber apoio, e o seu trabalho será centrado num rato sem Adck3, o gene subjacente a este tipo de ataxia. O rato, recentemente criado no laboratório do Dr. Singh, apresenta muitas das características de ataxia cerebelosa 2, incluindo ataxia e intolerância ao exercício leve. Estes ratos também têm um defeito mitocondrial que é particularmente evidente nos músculos esqueléticos. 

Com base em semelhanças com uma proteína em leveduras, os investigadores acreditam que a proteína Adck3 é um fator nas mitocôndrias, que joga um papel na síntese da coenzima-Q, mas pouco se conhece sobre os mecanismos moleculares da proteína na ataxia cerebelosa 2. 

As mitocôndrias são as produtoras principais de energia do corpo, convertendo nutrientes em energia utilizando uma série de eventos oxidativos complexos. Devido ao seu papel essencial para o metabolismo, mitocôndrias disfuncionais estão ligadas a uma variedade de doenças. Uma das consequências da incapacidade das mitocôndrias para executar o seu trabalho é um consumo de oxigénio reduzido, emparelhado com um aumento do metabolismo anaeróbico, levando à intolerância ao exercício - uma característica da ataxia cerebelosa 2. 

Dr. Singh coloca a hipótese de que a intolerância ao exercício, tanto em pacientes como em ratos deficientes em Adck3, seja uma consequência da disfunção mitocondrial no músculo esquelético. 

O projeto tem o objetivo ambicioso de identificação de um alvo molecular - ligado ao défice mitocondrial no músculo esquelético - que pode ser manipulado para aliviar os sintomas e melhorar o desempenho do exercício no rato modelo. Tais achados seriam uma contribuição promissora para potenciais tentativas de desenvolvimento de medicamentos para a ataxia cerebelosa tipo 2. 

projeto do Dr. Singh também pretende explorar as vias moleculares no cerebelo afetadas pela falta de Adck3 nesses ratos. Essas vias estão provavelmente ligadas à disfunção cerebelosa na ARCA2, e sua identificação pode fazer avançar a compreensão atual deste tipo de ataxia. 


NAF  National Ataxia Foundation (Fundação Nacional da Ataxia, EUA) 


(artigo traduzido)