5 de março de 2016

Ataxia cerebelosa: como pode a fisioterapia ajudar?

Falar de ataxia cerebelosa é fazer referência a uma doença que afeta o cerebelo e que altera a sua função. Assim, o resultado é que a pessoa que a enfrenta tem problemas de coordenação, perda de automatismos funcionais, dificuldades na linguagem e nas alterações de equilíbrio.
Tumores, traumatismos, intoxicações e aspetos genéticos são algumas das causas que proporcionam a ataxia cerebelosa. Perante isto e sem lugar a qualquer dúvida, terá que consultar um médico especialista, que deverá aconselhar a fisioterapia. Esta é a disciplina que pode ajudar, de forma clara e contundente, a lidar com os sintoma e a poder recuperar algumas habilidades e ações que podia fazer antes.
A fisioterapia na ataxia cerebelosa
Concretamente, os fisioterapeutas especializados em ataxia cerebelosa estabelecem planos de exercícios individuais para quem padece desta patologia. Assim, com base na idade destes, no seu estado de forma e no estado da patologia em que se encontram, são criadas umas tabelas de atividades para ajudar da seguinte forma:
§  Melhorar de forma clara e firme, tanto a coordenação dinâmica a nível geral, como a espácio-temporal e óculo-manual. Para atingir este fim, desenvolve-se exercícios de pedalar, de atirar bolas, de rastejar e de rodar.
§  Conseguir que as pessoas doentes reeduquem o seu equilíbrio através de exercícios de joelhos e com bolas.
§  Conseguir que voltem a ter alguns automatismos funcionais. As atividades planeadas para atingir este fim são muito variadas. Assim, entre elas está o subir e descer escadas, passar da posição em pé para exercícios sentados, rotação dos ombros, balançar dos braços.
§  Não menos importante, nestes casos concretos a fisioterapia é uma ferramenta de grande utilidade para os pacientes reeducarem a marcha. Neste caso, os fisioterapeutas optam por recomendar exercícios com alteração da marcha em distâncias curtas, estando sempre vigilantes para evitar quedas.


(artigo traduzido)