23 de janeiro de 2016

Investigadores encontram um composto que ajuda a regenerar os neurónios em áreas danificadas do cérebro


Este ativador provou a capacidade de gerar um aumento importante na neurogénese e representa um primeiro passo para a medicina futura para pacientes que sofrem de determinadas doenças neurológicas.

Muitas patologias neurológicas causam perda irreversível de neurónios. São principalmente as chamadas doenças neurodegenerativas embora existam outras causas para a perda de neurónios focoda, como é o caso nos acidentes vasculares cerebrais ou traumatismos cerebrais. Todas estas patologias não possuem hoje em dia um tratamento eficaz e não é. possível regenerar os neurónios mortos. Na verdade, embora o cérebro tenha a capacidade de se regenerar como muitos estudos o tem provado, esta regeneração é muito baixa, variando entre 0,2% e um máximo de 10%, dependendo do tipo de ferimento e da área danificada.

Isto é porque diferentes grupos de investigação têm-se centrado as suas atividades em conseguir a regeneração de uma área do cérebro sofrendo de morte celular neuronal de forma que esta área possa recuperar a sua função. Durante anos, a equipa liderada pela professora Carmen Castro na Universidade de Cádiz (Espanha) vem trabalhando nesta linha. Um dos mais recentes progressos da sua investigação será em breve publicado no International Journal of Neuropsychopharmacology, sob o título "12 Deoxyphorbols promovem a neurogénese adulta por indução da proliferação celular progenitora neural via ativação PKC", que já está disponível numa versão online. Neste artigo integralmente subscrito por investigadores da UCA (Universidade de Cádiz, Espanha), incluindo um grupo de investigadores do Departamento de Química Orgânica liderado pela Dra. Rosario Hernandez, está provado como um número de produtos naturais plantados isolados com a capacidade de ativar uma família de proteínas conhecidas como quinase tipo c ou PKC facilita a proliferação de células neuronais no cérebro. O grupo de investigação patenteou o uso destes compostos para regenerar o sistema nervoso.

"Existem outros compostos no mercado que ativam esta família de proteínas mas que implicam um alto nível de tumorigénese. Não podiam ser efetivamente utilizados como uma terapia regenerativa, portanto procurámos outros ativadores capazes de alcançar um aumento na neurogénese sem um efeito tumorigénese", afirma a Dra. Carmen Castro. Tendo isto em mente, "entrámos em contato com um grupo de investigação do Departamento de Química Orgânica a trabalhar no isolamento de produtos naturais de plantas e com compostos da família dos 12 deoxyphorbols. Este grupo tinha publicado que alguns destes compostos foram capazes de ativar a PKC e que não implicavam a tumorigénese. É por isso que decidimos cooperar com eles e experimentar estes compostos, numa primeira fase, em culturas e, mais tarde, em ratos".

Assim, os investigadores da UCA poderiam verificar como estes compostos facilitam a proliferação em culturas de células precursoras neuronais e que a sua introdução num cérebro de um rato adulto favorece a geração de novas células neuronais.

Além disso, "hoje em dia estamos a estudar outras rotas menos invasivoas de administração deste composto em vez de injetar o medicamento diretamente no cérebro. Este tipo de compostos são difíceis de obter, de modo que uma forma de administrar uma pequena quantidade tem que ser encontrada. É igualmente necessário que toda a quantidade chegue ao cérebro, pois se fossem injetados no sangue, a quantidade final no cérebro seria muito pouca", como eles explicam a partir da UCA.

O trabalho feito até agora é uma primeira etapa de um projeto muito mais complexo com o objetivo final do desenvolvimento a longo prazo de novos medicamentos. No entanto, estes investigadores destacam que "não tem sido fácil chegar até este ponto. Este trabalho tem exigido um grande esforço da equipa desta instituição, pois estamos a passar por um período com grandes dificuldades para obter financiamento".


(artigo traduzido)