12 de dezembro de 2015

Cardiomiopatia na ataxia de Friedreich detetada através de um ECG

Os investigadores dizem que a eletrocardiografia, ou ecocardiograma, é capaz de detetar problemas cardíacos precoces em pacientes com AF


Um novo estudo indica que uma avaliação completa da função cardíaca pode identificar a cardiomiopatia na maioria das pessoas com ataxia de Friedreich (AF), e que a eletrocardiografia, ou ecocardiograma, especialmente, mostra anomalias cardíacas precoces. O trabalho, intitulado "A cardiomiopatia na ataxia de Friedreich - Novo biomarcador para encenar envolvimento cardíaco", apareceu no International Journal of Cardiology.

A AF é causada pela hereditariedade de defeitos no gene da frataxina, transmitido por ambos os progenitores. Quando a proteína codificada por este gene está esgotada, isso resultada em danos do sistema nervoso, que conduzem tipicamente a uma perda de coordenação, visão diminuída, e fadiga. Os problemas do coração são também uma consequência comum, de modo a que a triagem para alterações cardíacas é particularmente importante.

Participaram no estudo trinta e duas pessoas com AF, com o diagnóstico confirmado por análise genética. Os investigadores avaliaram os participantes do estudo, utilizando um eletrocardiograma (ECG) em repouso, assim como outros testes padrão: um ECG-Holter de 24 horas, ecocardiografia, ou ecocardiograma, com acompanhamento de imagem, ressonância magnética cardíaca (cMRI) com realce da imagem final (por fibrose de substituição), e medição de alta sensibilidade da troponina T (hsTNT). Também compararam imagens dos corações dos pacientes às obtidas cinco anos antes.

Fazendo uso destes métodos de avaliação, a equipa arranjou um método para identificar clinicamente a degeneração do músculo cardíaco (cardiomiopatia) em pessoas com AF. No seu relatório, observam que "em todos, menos em dois pacientes, ela [cardiomiopatia] poderia ser detetada (94%)." Especificamente, eles foram capazes de identificar a cardiomiopatia (CM) através da avaliação dos níveis de alta sensibilidade da troponina T, fibrose (cicatrização do coração), e anomalias usando o ECG. O melhor método para a deteção dos problemas cardíacos relacionados com a AF nos seus estágios iniciais foi o ECG, que identificou diferenças elétricas no ritmo cardíaco.

Os investigadores concluíram, "A avaliação cardíaca completa irá desvendar CM estabelecida em quase todos os pacientes com AF, com alterações eletrocardiográficas como primeiros sinais."

Adotando esses métodos no uso clínico podem levar a problemas cardíacos, cardiomiopatia especificamente, a ser detetada e tratada no início em pacientes com AF. A miocardiopatia pode ser um problema que limita da vida das pessoas com AF, e a sua identificação e tratamento precoce pode melhorar a sua qualidade de vida.


ECG – eletrocardiograma


(artigo traduzido)